segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Devaneio

Flagrada, atônita,
em meio aos pensamentos  que voam pela órbita de meu sistema nervoso,
dei-me conta do quanto nada sei.
Pegando carona na próxima chuva,
o barulho latejante de cada gota
ensinaria, fatalmente,
a dor de ser o que é.
Sem fome alguma percebo que uma maçã cortada ao meio
vale mais que do pão uma meia fatia.
Você ao meio dia:
Meu almoço.
Mas claro; não me satisfaria.
Tenho sede de cor. Tenho sede de alma. 
Depois de provado o azul claro do céu, o êxtase vem quando se bebe 
o amor negro da tempestade.
Não há ânimo, nem cansaço,
só uma paralisia de sentidos 
durante um estado enigmático  
que já se perdurou por toda uma vida;
não há entendimento algum entre as contas de física
e meu raciocínio do universo.
Fisicamente sou mesmo assim;
magra a ponto de me descair por entre a brecha da porta e o chão,
e me libertar.
Alguém já percebeu o quanto há,
entre um ser gentil, viril,
de força humana,
e o luar?


Iara Moura

14 comentários:

  1. Belo texto..

    Dá pra pensar bastante ...

    ;)

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. ...Às vezes uma intensa alucinação
    Em que viajas pelo meu eu
    Às vezes o mundo fica em espera
    Da união do mar com o céu

    Onde param os teus anseios
    Onde encontras a sublime calma
    Nestes dias de dura tormenta
    Onde aqueces a tua alma?

    Voa comigo...


    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  3. putz, profundo d+++
    Faz pensar bastante.
    Você realmente é boa nisso Iara.

    "Curto d++ tuas linhas
    mesmo sendo diferentes e
    bem melhores que as minhas"
    hehehe

    Parabéns pelo belo poema, gostei muito.
    Continue escrevendo, abração do fã Ralph Lima!

    ResponderExcluir
  4. Nossa menina, que liiindo!! *---*
    Adorei, de verdade!!!! =D


    Beeijos!

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu blog.Voltarei mais vezes, com certeza!
    Parabéns e obrigada pela visita!

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Gostei.
    Estimula os pensamentos...

    Muito bom de se ler...

    beijo

    ResponderExcluir
  7. Amorinha,

    Gostei da forma cronológica e, ao mesmo tempo, descritiva como você conduziu seu poema.

    Beijos, bom feriado e ótima semana pra você.

    ResponderExcluir
  8. A meiguice dos teus olhos
    Enternece a alma mais dura
    Sei-te em cada batida de coração
    Na verdade da água pura

    A verdade da terra
    De verdadeira verdade se veste a tua alma nua
    O mundo conhece teus passos
    O teu destino impresso nas pedras de uma rua

    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  9. Corre assombração
    Vai para outro mundo numa toada de vento
    Afasta de mim este cálice
    Deixa-me aprisionar a morte na vida por um momento

    Deixa-me sentir com a alegria dos sentidos
    Deixa-me acreditar no voo do por-do-sol
    Deixa-me beijar as águas de um lago feliz
    Deixa-me navegar sem rumo, perder o control


    Bom domingo


    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  10. Parei na viagem de rumo e estrelas
    Sentei-me à beira de uma lagoa sussurrante
    Um Milhafre fitou-me zombeteiro
    Hesitei na procura do adiante

    Na ilha há sempre uma criatura em vigília
    Há sempre um feiticeiro vento
    Há sempre uma flor que a alma seduz
    Há sempre no acontece um mágico momento


    Bom domingo


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  11. Lembrarás tu que as manhãs
    Acordam da tua luz fugidia
    És esperança de perdida estrela
    Quem recolhe a dor em Deus confia

    Assombração que o luar esqueceu
    Nas margens de um lago azul
    Hoje passou a voar por mim
    A última garça a caminho do sul

    Era alva como a espuma do mar
    Graciosa como mulher feliz
    Voava de encontro ao vento
    Com olhar brilhante de petiz


    Boa semana


    Mágico beijo

    ResponderExcluir